Precariedade: já num relatório de há 50 anos

.

Numa leitura recente do Relatório Preliminar produzido em 1966 pelo famoso Grupo de Trabalho nº  14 – Reforma Administrativa da Comissão Interministerial de Planeamento e  Integração Económica, e em que se pretendia dar uma “visão panorâmica da situação do funcionalismo” deparei com uma referência à precariedade, mais precisamente  “a precariedade e instabilidade dos vínculos que em muitos casos ligam os servidores à administração“.

O Relatório Preliminar aparece acompanhado por um Apêndice “Situação e Perspectivas da Eficiência da Administração” mais explícito neste domínio:

“..Deu-se até a circunstância de se terem multiplicado na administração pública  situações caracterizadas pela maior ou menor precariedade do vínculo, tal como as dos agentes contratados ou assalariados e ainda as dos admitidos para quadros eventuais ou em regime de prestação de serviços e até as dos que nem sequer sã pagos por verbas da classe de “pessoal” .  Para estas espécies de agentes  do Estado – hoje em número consideravelmente superior aos dos funcionários de nomeação vitalícia – já não é tão sólida a garantia de permanência e estabilidade nas respectivas funções.”

Curiosamente no Plenário da Comissão Interministerial de Planeamento, alargado aos coordenadores de grupos de trabalho, a discussão permitiu revelar que muitos destes titulares de vínculos precários  eram contratados pelos Ministérios representados  na Comissão, justamente   por “verbas dos Planos de Fomento”. Viria a ser assim pelo menos nos 20 anos seguintes, e creio  poder afirmar que a Secretaria de Estado do Ambiente foi assim montada.

João Paulo Santos, no seu trabalho Emprego Público: da Estabilidade à Incerteza – dissertação para obtenção do grau de Mestre em Administração e Políticas Públicas apresentado em 2003 no ISCTE, no qual ilustra de forma elucidativa a mecânica da regularização periódica de admissões, indica  a evolução do total de efectivos da Administração Central:  25 558 efectivos em 1935 (fonte: Decreto-Lei 26115), 115 213 efectivos em 1968 (fonte: Inquérito do INE – Inventário dos Servidores do Estado), 313 880 efectivos em 1979.

Naturalmente imputa-se  ao pós 25 de Abril o crescimento de efectivos, no entanto basta ler o Decreto-Lei nº 656/74, de 23 de Novembro (Define as linhas gerais de política e gestão de pessoal da função pública)  que consagra um primeiro mecanismo de regularização de situação de precários e um primeiro esforço de contenção do crescimento de efectivos, para se perceber que este foi desenhado para regularizar situações constituídas antes da revolução.

.

Advertisements

Sobre ivogoncalves

64 anos Licenciado em Economia pelo Instituto Superior de Economia, Mestre em Administração e Políticas Públicas pelo Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa, Doutor em Sociologia, especialidade de Sociologia Política, pelo ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa. Detém Diploma de Estudos Avançados (3º Ciclo) em História Moderna e Contemporânea da mesma instituição. Domínios de actividade profissional: Gestão Orçamental Pública, Auditoria e Fiscalização, Recuperação de Empresas como dirigente, técnico ou consultor e formador. Outros domínios de interesse: Sistemas de Informação. Docente do ensino superior de Setembro de 1976 a Maio de 1985 no Instituto Superior de Economia, e de Outubro de 1985 a Julho de 2010 no Instituto Superior de Gestão (integrado actualmente no Grupo Lusófona). Membro nº 15 da Ordem dos Economistas. Pertence ao Colégio de Economia Política e ao Colégio de Auditoria. Membro nº 1385 do Instituto Português de Auditoria Interna. Sócio nº 20831 da Sociedade de Geografia de Lisboa.
Esta entrada foi publicada em Gestão, História. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s