Estad(i)o Social

 

“A Assembleia Municipal de Leiria autorizou terça-feira, por maioria, a Câmara a vender o estádio Magalhães Pessoa, um dos palcos do Campeonato Europeu de Futebol 2004, pelo valor de 63 milhões de euros.

A deliberação permite ao município alienar três de quatro frações do estádio: parte do topo norte (área inacabada do estádio), o estacionamento, de 450 lugares, com estes dois espaços avaliados em 24 milhões de euros, e o campo de futebol e respetivas bancadas.

Para a autarquia fica reservada a quarta fração, um espaço de cerca de dois mil metros quadrados no topo norte para reinstalar o centro associativo.

A decisão, que teve 12 votos contra, cinco abstenções e a recusa de um deputado em votar, suscitou críticas de deputados do PSD, CDS-PP, CDU e BE.

Carlos Guerra, da CDU, afirmou que dado que a propriedade do estádio e do topo norte pertencem à Leirisport, empresa municipal que gere as infraestruturas desportivas e de lazer do município, a assembleia está “legalmente” impedida de “poder decidir sobre este assunto deste modo”.

Por outro lado, Carlos Guerra explicou que o estádio é um edifício de interesse municipal, “está isento de IMI e a sua hipotética transação estaria isenta de IMT”, sendo que “todos os atos decorrentes da transação e a eventual contração de empréstimos com vista à sua aquisição estaria isenta de quaisquer emolumentos registrais e notariais”.

Considerou ser este “um grande negócio privado, sem dúvida, mas uma calamidade para os cofres municipais”, questionando: “Quanto é que isso custará ao município em perda de receitas?”.

Vítor Lourenço (PSD) questionou o presidente da Câmara se o município “pode decidir vender património que não é seu”, entendendo que a alienação parcial do estádio deveria ser antecedida de uma assembleia geral da Leirisport ou de um contrato de mandato da empresa municipal à autarquia.

Sustentando que a “deliberação da Câmara é ilegal e de efeito nulo”, Vítor Lourenço pediu “um processo renovado com a legalidade cumprida”, que incluísse apenas a venda do topo norte, com a qual, disse, todos os partidos concordam.

Já José Peixoto (BE) recordou que o partido defendeu há sete anos a implosão do estádio.

“Este estádio é muito caro, custou 83,2 milhões de euros, 277 por cento a mais do que o que estava previsto”, declarou José Peixoto, referindo que “a este montante acresce ainda o custo anual dos empréstimos a que a Câmara de Leiria foi obrigada a contrair para financiamento do estádio, na ordem dos 53 milhões de euros”.

Domingos Carvalho (CDS-PP) acusou a autarquia de conduzir esta alienação “muito mal”, enquanto António Sequeira (PS) advertiu que os empréstimos do estádio custaram o ano passado 1,8 milhões de euros em juros, podendo atingir 2,5 milhões de euros no próximo ano.

“Por isso se entende porque é que a Câmara, contra a sua vontade, teve que propor uma medida tão drástica como esta”, salientou.

O presidente da Câmara de Leiria, Raul Castro, reiterou que “o estádio é o causador da situação financeira da Câmara” e salientou que, sobre a suposta ilegalidade levantada pela oposição, “a propriedade do terreno onde está o estádio é da Câmara”, que preside à assembleia-geral da Leirisport

(DN on line)

Anúncios

Sobre ivogoncalves

65 anos Licenciado em Economia pelo Instituto Superior de Economia, Mestre em Administração e Políticas Públicas pelo Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa, Doutor em Sociologia, especialidade de Sociologia Política, pelo ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa. Detém Diploma de Estudos Avançados (3º Ciclo) em História Moderna e Contemporânea da mesma instituição. Domínios de actividade profissional: Gestão Orçamental Pública, Auditoria e Fiscalização, Recuperação de Empresas como dirigente, técnico ou consultor e formador. Outros domínios de interesse: Sistemas de Informação. Docente do ensino superior de Setembro de 1976 a Maio de 1985 no Instituto Superior de Economia, e de Outubro de 1985 a Julho de 2010 no Instituto Superior de Gestão (integrado actualmente no Grupo Lusófona). Membro nº 15 da Ordem dos Economistas. Pertence ao Colégio de Economia Política e ao Colégio de Auditoria. Membro nº 1385 do Instituto Português de Auditoria Interna. Sócio nº 20831 da Sociedade de Geografia de Lisboa.
Esta entrada foi publicada em Cidadania, Economia, Gestão. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s